Em discussão, Internet das Coisas ainda tem um longo caminho no Brasil

Autor Inbot

Escrito por InBot
Redator(a) InBot

A conexão digital que a internet proporciona a objetos utilizados no dia a dia tem revolucionado o mercado e feito com que empresários tenham uma visão diferenciada sobre o assunto. Na verdade, não só as empresas. Essa tecnologia tem feito com que as autoridades também se movimentem para regularizar sua utilização. Depois de o governo federal divulgar em junho deste ano o Plano Nacional de IoT, sigla em inglês para “Internet of Things”, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) passou a se atentar ao tema e abriu uma consulta pública para ouvir a sociedade sobre quais regras devem incidir sobre esse sistema.

O termo “Internet das Coisas” veio para denominar um sistema que conecta as pessoas além dos meios tradicionais como computadores e smartphones. Ela é mais complexa e trata-se de dispositivos que se interligam entre si, como geladeira, relógio, etc. São sistemas que processam dados e exploram a Inteligência Artificial. A consulta pública da Anatel é fundamental para estabelecer as regras deste novo segmento. Aberta no início de agosto e finalizada em setembro, a sondagem teve como objetivo “diminuir barreiras à expansão das aplicações baseadas em internet das coisas e em comunicação máquina a máquina”, como afirma a própria Anatel. 

Entre as normas existentes atualmente para a IoT, há pontos que tratam de exigência mínima de qualidade do serviço, obrigações relacionadas aos direitos do consumidor e formas de prestação do serviço. Assim, a intenção da Anatel com a consulta pública foi saber se há necessidade de flexibilizar esses dispositivos e de que forma fazer isso. Com relação aos requisitos legais avaliados na consulta, também estavam as taxas e os tributos incidentes sobre o setor. Atualmente, a Anatel cobra um valor por aparelho e a consulta problematizou se este é o melhor modelo, dado o fato de que os equipamentos são menores do que smartphones ou computadores.

Após sair o resultado da pesquisa da Anatel, caberá ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) decidir as áreas prioritárias relacionadas à Internet das Coisas que receberão mais atenção e incentivos. O próprio decreto já elenca algumas, sendo elas: saúde, cidades, indústrias e atividades rurais. O Plano prevê ainda projetos de fomento à implantação dessas inovações, como a criação de centros de competência para tecnologias inovadoras em IoT e um observatório nacional com foco no monitoramento do progresso da transformação digital no país, incluindo as políticas públicas.

A qualificação da força de trabalho é um dos desafios do governo para colocar tudo isso em prática, dado que passar a adotar essa tecnologia implica em novos conhecimentos. A InBot, especialista no desenvolvimento de assistentes virtuais, afirma que, embora esteja em bastante ascensão nas discussões e na prática das empresas, o uso da tecnologia ainda requer um estudo aprofundado e constante. “Para colocar a Internet das Coisas em prática é necessário muito estudo e uma análise se o mercado está realmente preparado para isso. São mudanças constantes que precisam ser sempre acompanhadas e validada a sua viabilidade”, diz. 

Compartilhe

Newsletter

Receba informações sobre o mundo dos chatbots, inteligência artificial e tecnologia em seu e-mail:

Indicadores de Performance Kpis”Indicadores de Performance Kpis”

Indicadores de Performance: 9 KPIS para monitorar o desempenho do seu chatbot

Os assistentes virtuais estão causando uma revolução na maneira como diversas companhias se comunicam. Quer entender por quê? Leia no artigo!
vantagens do chatbotvantagens do chatbot

Vantagens do Chatbot: o que eles oferecem ao combate do Coronavírus?

No corre-corre do dia a dia, seria excelente otimizar o tempo nos momentos de rotina. Que tal um assistente pessoal virtual para automatizar tarefas?